Ministério das Relações Exteriores
Governo

Angola aberta a capitais belgas

O Presidente da República está desde domingo 3, em Bruxelas e tem na agenda, desta segunda-feira 4, um encontro com a comunidade empresarial, com a participação da Câmara de Comércio e Indústria Bélgica-Luxemburgo-ACP (África, Caraíbas e Pacífico).

Segundo Manuel Nunes Júnior o sector petrolífero é importante, mas Angola quer diversificar a sua economia.

“Queremos diversificar a nossa economia, torná-la mais competitiva em áreas como a agricultura, a indústria, o turismo, a construção e outras áreas que nos levem a ter uma economia mais forte, mais sustentável e menos dependente dos recursos petrolíferos”, salientou.

O ministro de Estado garantiu que estão a ser dados “passos muito importantes” para a melhoria do ambiente de negócios no país, apontando como exemplos a nova lei do investimento privado, a lei da concorrência, o grande combate que se está a fazer contra a corrupção, a facilitação de vistos para a entrada de empresários e não só, e outras medidas que estão previstas que vão melhorar, em pouco tempo, o ambiente de negócios e atrair investidores.

Segundo Manuel Nunes Júnior, foi assim que outros países, como os asiáticos, se desenvolveram.

“Ninguém se desenvolve sozinho. Mesmo os países asiáticos que tiveram um crescimento vertiginoso a partir dos anos 60/70 do século passado basearam-se muito na parceria estratégica com outros países”.

O que tem que se fazer, acrescentou, é criar uma força de trabalho cada vez mais competente, melhor preparada, apostar na educação, para que as empresas estrangeiras, ao chegarem a Angola, encontrem mão-de-obra bem preparada que possam empregar e que possam utilizar esta mão-de-obra para que as suas empresas avancem de maneira adequada e criem prosperidade.

O ministro de Estado reafirmou que a diplomacia económica constitui o foco da actividade diplomática, conforme orientação do Presidente da República, no sentido de se encontrar, no mundo, os parceiros que podem fazer com que o crescimento e desenvolvimento de Angola seja mais rápido, mais eficiente, e possa proporcionar ao povo as condições que sempre almejou.

“Estivemos em França, onde tivemos um encontro com a classe empresarial local, reunida na sua organização empresarial mais importante, e foi transmitida a mensagem no sentido de atrair o investimento francês para a nossa economia, o mesmo vamos fazer agora na Bélgica”, informou.

O ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social explicou que, no encontro com os empresários belgas, estarão também presentes empresários angolanos, porque, explicou, é sempre importante que as parcerias se façam com a participação de empresários de países que visitamos e de empresários angolanos.

Visita à Antuérpia

Ainda na vertente económica, o Presidente João Lourenço desloca-se na terça-feira 5, à cidade portuária de Antuérpia, onde visita o centro mundial de diamantes e as instalações industriais do Porto Internacional.

Jornal de Angola