Ministério das Relações Exteriores
Política

Angolana Fátima Jardim indicada embaixadora da Boa Vontade

A antiga ministra do Ambiente, Fátima Jardim, foi designada no passado dia 29 de Abril do corrente ano, em Brazzaville, embaixadora da boa vontade da Comissão do Clima sobre a Bacia do Congo.

A decisão foi tomada na primeira Cimeira dos Chefes de Estado sobre a Bacia do Congo, que se realizou na República do Congo.

A Bacia do Congo tem uma extensão de 220 milhões de hectares de floresta e tida como o segundo maior pulmão ecológico do planeta, depois da Amazónia.

O ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Augusto, falando à imprensa à margem da Cimeira, disse que além da ex-ministra angolana, a Cimeira indicou também a princesa Lassa, do Reino de Marrocos e membro da Fundação Mohamed VI, e o músico da República Democrática do Congo, Lokua Kanza, para embaixadores da boa vontade.

Os embaixadores designadores terão a responsabilidade da angariar fundos para a operacionalização da comissão do Ambiente da Bacia do Congo e do fundo Azul.

O ministro acredita que a Bacia do Congo poderá atrair muitos investidores.

Manuel Augusto referiu que a comissão está, ainda, aberta a categoria de membros associados, entre os países africanos que se identifiquem com os objectivos do projecto.

Adiantou que estão igualmente previstos protocolos como o do Lago Tchad e da Bacia do Benin, que poderão estar interligadas.

O ministro angolano das Relações Exteriores disse existir um projecto que consiste em desviar o curso do rio Congo, ou Zaire, para levar água ao lago Tchad, que se está a evaporar, o que pode levar a que aquela região seja declarada árida.

Explica que se prevê realizar um estudo técnico sobre a bacia do Congo, atravessado pelo rio Kwanza, um dos maiores cursos de água, e segundo maior depois do Amazonas.

Admite a possibilidade de se associar aos estudos, técnicos, investidores, mecenas e doadores.

Considera este dia histórico, pelo facto de África procurar soluções para os seus problemas, mesmo que tenha, depois, de contar com parceiros internacionais, num mundo cada vez mais global.